Dicas essenciais para novos ativistas veganos

Autor: Lucas Alvarenga

Ao adotar o veganismo como estilo de vida, tomamos um posicionamento ético fundamental para evitar colaborar, dentro do possível, com os maiores causadores de sofrimento do planeta. Mas isso não é tudo que podemos fazer. Através do ativismo vegano, nós podemos também começar a combater ativamente o sofrimento animal e potencialmente deixar um legado positivo e de alto impacto no mundo.

O primeiro passo para se tornar ativista é ter vontade. Mas, mais importante do que simplesmente se chamar de ativista, é importante ter sempre em mente o verdadeiro propósito de um ativista vegano: Ajudar a acabar com a exploração animal.

Tornar-se vegano e simplesmente intitular-se ativista não necessariamente traz um impacto significativo para os animais. O que verdadeiramente importa para os animais é o que trazemos de resultados práticos e efetivos para eles. Então, acima de qualquer nomenclatura ou título, o que mais devemos ter em mente é como potencializar nossas ações que podem trazer benefícios diretos para a causa e para os animais.

Leia mais: Dicas essenciais para novos ativistas veganos

Nem sempre as melhores intenções dos veganos se traduzem no que é melhor para os animais

 Autor: Felipe Krelling

Todo ativista tem boas intenções. Sempre que ele vai fazer alguma ação, por exemplo, ele espera que ela tenha um impacto positivo. Mas será que apenas ter boas intenções significa que os resultados serão sempre positivos? Algumas vezes, o resultado que é obtido pode ser o contrário àquele inicialmente desejado.

Temos um caso prático no Canadá para aprofundar melhor essa questão: Um estabelecimento em Torontoficou conhecido por expor animais mortos sendo dilacerados em frente à vitrine antes de irem para os pratos. Isso gerou tanto incômodo e revolta -logicamente pelo fato dessas imagens serem publicamente visíveis para todos que passavam em frente ao estabelecimento – que ativistas veganos resolveram realizar um protesto. Eles se posicionaram em frente ao restaurante e gritaram segurando placas do tipo: “murderer” (assassino). Além do tumulto, o movimento – principalmente a entrada – do local foram muito prejudicados.

Leia mais: Nem sempre as melhores intenções dos veganos se traduzem no que é melhor para os animais